Mudando sua alimentação

Alimentos crus: e aí, você seria crudívoro?

maio 16, 2019

A ciência vem produzindo muitos conhecimentos relacionados à melhor forma de nutrir o nosso corpo. Mas o fato é que a nutrição não é a única função desempenhada por um alimento. Identidade, cultura, gostos, preferências… Todas essas questões estão envolvidas na nossa alimentação, já reparou?

No momento de escolher o que vamos consumir, somos conduzidos pelo prazer, pela sociabilidade, pela ética e por muitos outros fatores.

Pelas mesmas razões, algumas pessoas decidem não comer determinados alimentos. Alguns excluem aqueles de origem animal, outros optam apenas por alimentos crus, como é o caso do crudivorismo. Você já ouviu falar? Não? Então não deixe de conferir este conteúdo. Aqui, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre esse assunto.

Afinal, o que é a alimentação crudívora?

Também chamada de alimentação viva, consiste em uma rotina alimentar que inclui apenas alimentos crus. É isso mesmo que você entendeu. A princípio, você pode até pensar que essas pessoas não comem quase nada, mas não se engane!

Os adeptos dessa prática consomem frutas, legumes, verduras, raízes, sementes germinadas e qualquer alimento que não passe por processo de cozimento ou industrialização. Acredite, é possível ter uma alimentação variada com essa prática.

Por que algumas pessoas adotam esse tipo de alimentação?

Como você já pode imaginar, esse tipo de alimentação também está dentro da proposta da dieta vegetariana, mas não é apenas a ética animal que está em questão nesse caso.

A estratégia de não cozinhar a comida se dá pelo fato de que o tratamento térmico modifica a estrutura química do alimento. Assim, após cozido, ele perde nutrientes e inativa enzimas. Além disso, ele é visto como uma unidade viva. Logo, cozinhá-lo afetaria sua vitalidade.

Ser crudívoro realmente traz benefícios?

Bom, essa resposta não é tão simples. Mas, visto que é um estilo de vida que exclui alimentos industrializados, ricos em conservantes, estabilizantes, açúcar e gordura, podemos dizer que, se você decidir adotar esse estilo de vida, poderá ter benefícios, sim. Redução do risco cardíaco, do colesterol e da inflamação, comum na obesidade, são algumas vantagens notáveis dessa decisão.

É frequente, ainda, a exclusão de alimentos produzidos com pesticidas. Então, as pessoas que conseguem equilibrar o consumo de todos os nutrientes ingerindo alimentos crus podem não só ajudar sua própria saúde, mas, também, contribuir com o meio ambiente.

Existem riscos se eu adotar essa dieta?

A resposta complementa o que foi abordado na pergunta anterior. Apesar de ter benefícios, é possível desenvolver deficiências nutricionais. Caso você esteja pensando em adotar essa alimentação, é importante tomar alguns cuidados.

Um erro bem comum é deixar de comer alimentos cozidos, mas não compensar consumindo uma variedade de alimentos que consiga suprir as necessidades nutricionais.

Alcançar as necessidades de proteínas, por exemplo, se torna mais difícil. Caso você seja uma dessas pessoas que não têm tanto interesse por legumes, verduras, frutas, sementes e alimentos in natura, poderá ter sérios problemas. Informe-se bem antes de aderir à prática!

Quais cuidados devem ser tomados?

Variar os alimentos

Pra conseguir atender às necessidades da maioria dos nutrientes, os pratos devem ser muito variados. Isso ajuda não só na nutrição, mas também torna a sua alimentação menos monótona.

É importante conhecer todas as opções de alimentos que podem ser incluídas nessa rotina. As frutas podem ser consumidas tanto desidratadas como em sucos; assim, dá pra variar a forma de consumo, não é mesmo?

Legumes e verduras, obviamente, só podem ser comidos crus. Pra abrir o leque de opções de consumo, pode-se alterar a forma de corte ou fatiá-los de forma distinta. Que tal uma macarronada de abobrinha e cenoura? Existem equipamentos pra cortar legumes em forma de espiral.

Oleaginosas, como nozes, castanhas e amêndoas, são boas fontes de gordura. Atenção! Elas não devem ser torradas. Derivados desses alimentos, como a manteiga e o leite de amêndoa, também são permitidos e devem ser consumidos. Azeite de oliva prensado a frio também pode fazer parte da rotina.

Algas marinhas são excelentes fontes de nutrientes. Sementes e brotos também são muito comuns, especialmente germinados. Aliás, germinar sementes passa a fazer parte do dia a dia de quem segue essa alimentação.

Assim, apesar de não poderem ser cozidos, existem outras técnicas que podem ser utilizadas pra dar um toque especial na preparação, como desidratação, sumo, mistura e imersão.

Como você pode ver, existe uma gama de alimentos interessantes pra quem adota esse estilo de vida. Claro que muitos podem não fazer parte da sua rotina. Logo, se você quer se tornar crudívoro, precisará experimentar novos sabores, pra sentir os benefícios dessa alimentação.

Suplementar é necessário

Está pensando em se iniciar nessa filosofia de vida? Então procure um profissional, porque você vai precisar. Por mais variada que seja a alimentação, você precisará suplementar, no mínimo, a vitamina B12. Isso se dá por um motivo muito simples: ela só é encontrada em alimentos de origem animal.

Além disso, um profissional de nutrição precisa avaliar se você está conseguindo consumir quantidades suficientes de proteínas, minerais e vitaminas só com a alimentação. Ele também vai dar todas as orientações necessárias para o sucesso dessa jornada. E, se for o caso, outros tipos de suplementação serão prescritos, o que é bem comum e nada complicado.

Cuidar do psicológico

Iniciamos esta matéria falando que a comida não tem a função apenas de nos manter nutridos. Isso não foi à toa! Quando as pessoas passam por uma restrição alimentar muito grande, é comum que sejam afetadas psicologicamente.

Por isso, é importante refletir sobre as motivações pra se aderir a esse tipo de alimentação. Você pensa em adotar uma alimentação ética, que não traga malefícios para o meio ambiente? Tudo bem!

Os problemas acontecem quando esse tipo de limitação passa a trazer sofrimento. Apesar dos benefícios que essa alimentação pode oferecer, existem outros meios de se alcançar saúde que são menos excludentes.

O controle alimentar exagerado e as grandes restrições são comportamentos de risco para transtornos psicológicos relacionados à alimentação. Ninguém quer isso, né? Então, faça apenas aquilo que te faz feliz!

Como você pode ter percebido, comer só alimentos crus é interessante, mas pode não ser fácil. O importante é manter o equilíbrio, sem neuras, pensando na sua saúde física e mental.

Agora que você sabe tudo sobre o assunto, seria crudívoro? Deixe um comentário no post e conte pra gente!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up