Castanhas brasileiras para incluir na sua alimentação

castanhas brasileiras

As castanhas brasileiras são oleaginosas, ou seja, sementes comestíveis conhecidas por seu alto valor nutricional. Afinal, são fontes de gorduras boas, que protegem a saúde do coração, e ainda fornecem nutrientes importantes que contribuem para o bom funcionamento do organismo. Além da tradicional avelã, macadâmia e pistache consumidos no mundo todo, vale conhecer as castanhas do Brasil.

São alimentos versáteis, gostosos, e inclusive são tudo de bom quando o assunto é saúde. Quer dar um up nas suas refeições? Então conheça mais sobre as oleaginosas brasileiras!

Quais são as castanhas brasileiras? 

Existem diferentes tipos de castanhas brasileiras que fazem bonito nos preparos, tanto do ponto de vista do sabor quanto em termos de vitaminas e minerais. Nesse sentido, listamos as principais variedades para você incluir na alimentação e dar aquele gostinho de quero mais: 

Castanha-do-Pará 

Dentre as castanhas nativas do Brasil, certamente a castanha-do-Pará, que lá fora leva o nome de brazilian nut, é a nossa oleaginosa mais popular. Contudo, a parte que comemos são as sementes presentes no interior do fruto da castanheira. Original do norte do país, esse ingrediente contém cálcio, magnésio, ômega 3 e selênio – um mineral antioxidante importante para a saúde. 

Para acrescentar no dia a dia, não tem mistério, pois a castanha-do-Pará vai bem em receitas doces e salgadas, seja fresca ou assada. 

Castanha-de-cajú

Do norte e do nordeste do país para o mundo, o fruto do cajueiro é gostoso como ele só. Isto porque a castanha é fonte de magnésio, fósforo e zinco, um mineral essencial para o crescimento e desenvolvimento do corpo.

Ela serve de alimento crua ou torrada, purinha, num lanche, num mix com frutas secas ou ser a estrela de receitas como bolos, doces e até em saladas. 

Castanha de baru

A amêndoa retirada da casca desse fruto é consumida tanto na versão crua ou torrada, emprestando seu sabor para receitas doces (como bolos, cremes e paçocas) ou salgadas, como pães e snacks. 

Em relação aos seus nutrientes, a castanha do baru possui proteínas, ômegas 6 e 9, zinco e antioxidantes, por exemplo.

Licuri

Originário da caatinga, o licuri apresenta uma coloração amarelada, que pode oscilar para um tom mais alaranjado. Entretanto, como a casca é bem dura, é preciso quebrá-la com para extrair a sua amêndoa, que serve de consumo verde, madura, fresca ou tostadinha. 

Esse ingrediente serve como base para diversas receitas e licores, além disso, a sua gordura também é extraída para fazer um óleo vegetal com propriedades nutricionais semelhantes às do óleo de coco.

Castanha sapucaia 

Nativa da Mata Atlântica, a sapucaia é da mesma família do castanha-do-Pará, e assim como ela, pode ser utilizada crua, cozida ou assada em diferentes preparos. Por ser bastante aromática, essa castanha brasileira é usada para o drinks, recheios para doces e salgados e também nas barrinhas com frutas e oleaginosas. 

Do ponto de vista dos nutrientes, ela fornece vitaminas do complexo B, sendo essenciais para a geração de energia. Além disso, o óleo extraído das sementes e da casca da Sapucaia tem ótimas propriedades cicatrizantes e ajuda a tratar lesões na pele. 

Xixá ou chichá

Por ser de fácil plantação, o Xixá é cultivado em todo o Brasil

Os povos indígenas fazem uso do seu óleo para casos de problema de pele, provavelmente graças ao seu alto teor de vitamina C, que atua na cicatrização da pele. 

As sementes são bastante saborosas, com gosto semelhante ao do amendoim. Apetitosas cruas, cozidas ou torradas como um snack. Esse alimento, por fim, contém rutina – um composto bioativo que está entre os antioxidantes naturais mais eficazes, e contém propriedade anti-inflamatória, antiviral e anticancerígena.

castanhas brasileiras em cima da mesa

Que tal inserir as castanhas brasileiras na sua rotina?

As castanhas do Brasil estão em peso nos pratos da Liv Up, inclusive na parceria com a Bela Gil. Você pode experimentar a farofa, feita com castanha-do-Pará, Baru e de Cajú, por exemplo:

Como consumir castanhas brasileiras? 

Incluir os diferentes tipos de castanhas na alimentação é super fácil. Afinal, elas servem como base para óleos, farinhas, e também são ótimas in natura, puras, num mix com iogurte, como topping em diversos pratos ou ser a estrela da refeição. 

Confira 3 receitinhas com as oleaginosas do Brasil:

Pasta doce de castanha de baru

Quem é que não gosta de um docinho saboroso para comer com pão, bolo de fubá, panqueca ou na tapioca? Pois essa receita saborosa e saudável vai deixar seus lanches ainda melhores. Espia só: 

Ingredientes: 

  • 200 g de castanha de baru torrada;
  • 120 g de chocolate amargo derretido;
  • 20 g de cacau em pó;
  • 50 g de açúcar demerara;
  • ½  fava de baunilha; 
  • Azeite extravirgem a gosto.

Modo de Preparo: 

Antes de tudo, processe a castanha até ficar com textura de creme. 

Em seguida, acrescente o chocolate derretido, o cacau, o açúcar e a baunilha. Por fim, coloque azeite em fio até atingir a consistência desejada. E sua pasta está prontinha! Agora é só armazenar na geladeira e consumir com suas delícias favoritas. 

Sorvete de tapioca com castanha-do-Pará:

Melhor que sorvete, só um sorvete com ingredientes saudáveis. É o caso dessa sobremesa com alimentos brasileiríssimos: tapioca e castanha-do-Pará. É cheia de textura, sabor e leva meia dúzia de itens no seu preparo. Tá afim de experimentar algo novo? Então veja a receita completa

Creme de leite de castanha de caju

O creme de leite é um verdadeiro coringa na cozinha. E pra quem busca uma versão vegetal e que não perde nada em sabor, o creme de leite de castanha de caju é a pedida certa. Além disso, ele não tem hormônios, lactose ou crueldade animal. Também é livre de gorduras saturadas, fornece vitamina E e proteínas. Ou seja, não tem porque não experimentar. Dá o play e veja como preparar em casa: 

Você vai gostar de ver…

ultraprocessados

Alimentos ultraprocessados: como identificar e substituir

Vivemos em uma era em que os alimentos ultraprocessados são praticamente onipresentes. Em muitos casos, fica ainda mais difícil passar longe deles, pois existem industrializados com roupagem de “comida saudável”. 

fome emocional

Fome emocional: como mudar sua relação com a comida?

Sabe aquela história de comer por ansiedade ou descontar um dia estressante num docinho? Então, ela tem nome. A fome emocional, muitas vezes desencadeada por sentimentos, pode impactar nossos hábitos

receitas do tik tok viral

Viralizou: 10 receitas do Tik Tok pra testar em casa

No universo culinário das receitas do Tik Tok, a criatividade e a simplicidade andam de mãos dadas. Não é de hoje que nas redes sociais, especialmente no TikTok, chefs amadores

Permissão de cookies

Coletamos informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para melhorar o funcionamento das páginas, mensurar a audiência e oferecer uma melhor experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies.