Descubra a alimentação correta das crianças de acordo com a faixa etária

alimentação correta das crianças

Se você é pai ou mãe e está um pouco apreensivo sobre como deve ser a alimentação correta das crianças em cada faixa etária, esse artigo é pra você.

Isso porque o que ainda é amplamente divulgado é em relação à alimentação nos seis primeiros meses de vida do bebê, que deve ser exclusivamente com o leite materno (e complemento, quando houver necessidade).

Mas, e depois desse período, quando introduzir vegetais e frutas? E o açúcar, é permitido quando?

Independente da fase da vida, a alimentação deve ser variada e equilibrada, pois o conjunto dos alimentos vai oferecer todos os nutrientes que o organismo precisa: carboidratos, fibras, proteínas, minerais, gorduras e vitaminas.

A criança bem alimentada se desenvolve melhor, tem bom rendimento escolar, é mais resistência a doenças e caso fique doente, a recuperação é mais rápida. Por isso, invista na alimentação correta das crianças: investimento para o presente e futuro.

Alimentação correta das crianças para cada faixa etária

1 – 0 a 6 meses

Segundo orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria, até o seis meses apenas o leite materno. Ele é suficiente para garantir a alimentação completa do bebê e também proporcionar benefícios às mães. Veja os principais:

  • Atende todas as necessidades de nutrientes e sais minerais do bebê;
  • Previne a anemia e provoca menos cólicas no bebê;
  • O leite materno contém uma molécula chamada PSTI, que protege e repara o intestino sensível dos recém-nascidos;
  • A sucção auxilia no desenvolvimento dos dentes do bebê;
  • Protege a mãe contra doenças cardiovasculares, de acordo com estudos americanos;
  • Auxilia a recuperação do peso da mãe, reduz o risco de infecções e de câncer de mama;
  • Auxilia na formação do sistema imunológico da criança, prevenindo obesidade, alergias, entre outros;
  • O melhor: é de graça, em livre demanda, fácil de transportar e pronto para ser ingerido.

Mas, caso a criança rejeite o leite materno ou o leite se esgote antes dos seis meses, o pediatra deve indicar o aleitamento artificial.

2 – A partir dos 6 meses

A partir dos seis meses o bebê pode começar a experimentar novos alimentos. Exemplos: papinhas de frutas, verduras, legumes e carnes. Nesta fase, a alimentação deve ser variada e colorida.

As papinhas devem combinar sabores, texturas e cores, sendo preparadas e servidas na hora. Ao colocar os alimentos no prato, a dica é amassá-los com o garfo e, se necessário, peneirar nos primeiros dias.

Não utilize a mamadeira para alimentos pastosos, tais como cremes, papas de frutas, sopas. A criança precisa se acostumar com a nova maneira de se alimentar – colher! Com a introdução dos alimentos é importante oferecer água à criança.

3 – De 1 a 6 anos

A partir de um ano a criança já começa a comer a mesma alimentação da família e as refeições também devem ser distribuídas em 3 principais horários: café da manhã, almoço e jantar. Além de claro, oferecer lanchinhos saudáveis entre os intervalos dessas refeições.

Priorize a qualidade dos alimentos e atenção para algumas orientações:

  • As refeições e lanches devem ser servidos em horários pré-determinados;
  • Coloque pouca quantidade de comida no prato, e ofereça a repetição caso a criança ainda esteja com fome;
  • Se a criança não comeu direito, não ofereça lanche para substituir a refeição. Ela terá que esperar até o próximo horário;
  • Não obrigue a criança a comer, nem faça chantagem, muito menos dê recompensa (do tipo: “Se comer tudo, vai ganhar um doce“). Ela precisa ser estimulada a comer e entender os motivos de se alimentar bem;
  • Limite (se possível, nem coloque à mesa) alimentos com excesso de gordura, açúcar e sal;
  • A família deve fazer as refeições sentada à mesa, e não no sofá com a TV ligada nem com joguinhos ativados no smartphone. O momento da refeição deve ser calmo e convidativo para celebrar o momento.

Importante:

Crianças obesas já nos dois primeiros anos de vida têm mais chance de se tornarem adultos obesos. É sabido que a obesidade contribui para o aparecimento de doenças como hipertensão, problemas respiratórios, colesterol alto, entre outros.

4 – De 6 a 11 anos

Nesta fase, as crianças se movimentam mais, praticam mais atividade física, ou seja, possuem um gasto calórico maior. Por isso, há a necessidade de colocar um pouquinho mais de alimento no prato. Mas atente sempre para a qualidade deles. Confira as dicas:

  • Evite lanches prontos e embalados. Lembre-se sempre: melhor descascar que desembalar;
  • Tenha sempre disponível frutas, verduras e legumes;
  • Estimule o consumo de alimentos ricos em cálcio, como leite, derivados e vegetais verdes, como brócolis, espinafre e couve;
  • Evite o hábito de comprar refrigerantes, doces e fazer frituras em casa. Consuma esses alimentos apenas em ocasiões especiais;
  • Estimule a criançada a beber sucos de fruta, (da fruta mesmo, feito de forma natural). Os de caixinha, passe longe!

Importante:

Coloque o exercício físico como algo estimulante e prazeroso. Aulas de futebol, vôlei, natação, corrida ‘kids’, ou seja, crianças em movimento para extravasar as energias!

5 – De 12 a 18 anos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a adolescência entre os 10 e 19 anos completos. Nesta fase, o corpo passa por inúmeras mudanças, por isso a alimentação equilibrada é peça-chave para garantir o bom desenvolvimento do adolescente.

Os médicos apontam que o padrão alimentar dos jovens está abaixo do esperando, pois eles substituem com muita facilidade as refeições balanceadas por lanches ricos em gordura.

Por isso, se o adolescente passa mais tempo fora de casa – por conta do colégio e das atividades extracurriculares, vale a pena orientá-lo sobre um almoço mais balanceado. E, em relação aos lanches, evitar alimentos muito calóricos, dando preferência aos sanduíches naturais, se possível.

Também é nesta fase que os adolescentes infelizmente terão mais acesso a bebidas alcoólicas. Neste caso, vale o alerta da família em casa para lembrar sobre as consequências para a saúde do excesso do álcool, e quão vilão ele é para quem quer ter uma vida com qualidade.

Alimentos proibidos

Se falamos nos alimentos permitidos em cada faixa etária, é hora de fazer um breve resumo do que é proibido.

Até os 6 meses: apenas o aleitamento materno ou complemento, se necessário. Portanto, todo o resto é proibido!

6 meses a 2 anos: fritura, chocolate, sucos artificiais, refrigerantes, alimentos enlatados, alimentos duros de difícil mastigação, café, carne de porco e mel.

  1. O mel pode estar contaminado por uma bactéria chamada Clostridium botolinum, responsável pela transmissão do botulismo;
  2. Oleaginosas em geral, como amendoim e castanhas, são alimentos que podem desencadear alergias;
  3. Doces: até os dois anos a criança tem o paladar para o sabor doce. Se ela começa a consumir alimentos com muito açúcar, o nível de doce no paladar dela é aguçado, e assim a criança será induzida a pedir cada vez mais por mais doces.
  4. Gelatinas: são cheias de açúcar e conservantes, podendo desencadear alergias de pele. Em vez de oferecer uma gelatina de morango à criança, ofereça o morango (a fruta!) apenas;
  5. Bolacha recheada: exclua da sua lista do mercado. São alimentos ricos em gordura trans e cheios de açúcar.

Nas demais faixas etárias, controlar ao máximo o consumo de produtos industrializados, açúcar e frituras. Dados do Ministério da Saúde mostram que 12,9% das crianças brasileiras de 5 a 9 anos são obesas e 18,9% dos adultos estão acima do peso.

O consumo elevado de alimentos ultraprocessados, de alto teor de gordura e açúcar e o excesso de “tela” (smartphone, TV, videogame) são os principais responsáveis por esses números.

Quando a criança começa a comer sozinha?

Por volta dos 8 meses, a criança já consegue segurar frutas e verduras, e os pais devem incentivá-la a comer usando as próprias mãos. Prepare-se para a sujeira saudável e divertida que virá por aí!

Até os 2 anos a criança vai aprender a segurar a colher com certo equilíbrio, e entre 3 e 4 anos ela conseguirá se alimentar sem ajuda.

Com o apoio e incentivo dos pais, por volta dos 7 anos é possível que a criança já consiga usar os talheres e servir a própria comida.

Referências: Fiocruz, Prefeitura de Belo Horizonte, Sociedade Brasileira de Pediatria e Pais&Filhos

Você vai gostar de ver…

déficit calórico dos alimentos

Déficit calórico: como funciona a fórmula das calorias

Quem quer emagrecer certamente já esbarrou por aí no conceito de déficit calórico, até porque é impossível perder peso sem ele. Entender essa relação entre as calorias ingeridas e as

refeição cardápio para o dia a dia

Cardápio para o dia a dia: 20 receitas pra experimentar

Quando o assunto é alimentação saudável, um dos grandes desafios é elaborar um cardápio para o dia a dia que reúna refeições práticas, mas também saborosas. Afinal de contas, a

iogurte saudável com frutas

Iogurte saudável: como escolher o melhor

Saboroso, versátil e bem equilibrado, o iogurte saudável é uma opção queridinha na hora de montar um cardápio bacana. Vai bem com frutas, com granola, em molhos para saladas e

Permissão de cookies

Coletamos informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para melhorar o funcionamento das páginas, mensurar a audiência e oferecer uma melhor experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies.