Descubra a alimentação correta das crianças de acordo com a faixa etária

alimentação correta das crianças

Se você é pai ou mãe e está um pouco apreensivo sobre como deve ser a alimentação correta das crianças em cada faixa etária, esse artigo é pra você.

Isso porque o que ainda é amplamente divulgado é em relação à alimentação nos seis primeiros meses de vida do bebê, que deve ser exclusivamente com o leite materno (e complemento, quando houver necessidade).

Mas, e depois desse período, quando introduzir vegetais e frutas? E o açúcar, é permitido quando?

Independente da fase da vida, a alimentação deve ser variada e equilibrada, pois o conjunto dos alimentos vai oferecer todos os nutrientes que o organismo precisa: carboidratos, fibras, proteínas, minerais, gorduras e vitaminas.

A criança bem alimentada se desenvolve melhor, tem bom rendimento escolar, é mais resistência a doenças e caso fique doente, a recuperação é mais rápida. Por isso, invista na alimentação correta das crianças: investimento para o presente e futuro.

Alimentação correta das crianças para cada faixa etária

1 – 0 a 6 meses

Segundo orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria, até o seis meses apenas o leite materno. Ele é suficiente para garantir a alimentação completa do bebê e também proporcionar benefícios às mães. Veja os principais:

  • Atende todas as necessidades de nutrientes e sais minerais do bebê;
  • Previne a anemia e provoca menos cólicas no bebê;
  • O leite materno contém uma molécula chamada PSTI, que protege e repara o intestino sensível dos recém-nascidos;
  • A sucção auxilia no desenvolvimento dos dentes do bebê;
  • Protege a mãe contra doenças cardiovasculares, de acordo com estudos americanos;
  • Auxilia a recuperação do peso da mãe, reduz o risco de infecções e de câncer de mama;
  • Auxilia na formação do sistema imunológico da criança, prevenindo obesidade, alergias, entre outros;
  • O melhor: é de graça, em livre demanda, fácil de transportar e pronto para ser ingerido.

Mas, caso a criança rejeite o leite materno ou o leite se esgote antes dos seis meses, o pediatra deve indicar o aleitamento artificial.

2 – A partir dos 6 meses

A partir dos seis meses o bebê pode começar a experimentar novos alimentos. Exemplos: papinhas de frutas, verduras, legumes e carnes. Nesta fase, a alimentação deve ser variada e colorida.

As papinhas devem combinar sabores, texturas e cores, sendo preparadas e servidas na hora. Ao colocar os alimentos no prato, a dica é amassá-los com o garfo e, se necessário, peneirar nos primeiros dias.

Não utilize a mamadeira para alimentos pastosos, tais como cremes, papas de frutas, sopas. A criança precisa se acostumar com a nova maneira de se alimentar – colher! Com a introdução dos alimentos é importante oferecer água à criança.

3 – De 1 a 6 anos

A partir de um ano a criança já começa a comer a mesma alimentação da família e as refeições também devem ser distribuídas em 3 principais horários: café da manhã, almoço e jantar. Além de claro, oferecer lanchinhos saudáveis entre os intervalos dessas refeições.

Priorize a qualidade dos alimentos e atenção para algumas orientações:

  • As refeições e lanches devem ser servidos em horários pré-determinados;
  • Coloque pouca quantidade de comida no prato, e ofereça a repetição caso a criança ainda esteja com fome;
  • Se a criança não comeu direito, não ofereça lanche para substituir a refeição. Ela terá que esperar até o próximo horário;
  • Não obrigue a criança a comer, nem faça chantagem, muito menos dê recompensa (do tipo: “Se comer tudo, vai ganhar um doce“). Ela precisa ser estimulada a comer e entender os motivos de se alimentar bem;
  • Limite (se possível, nem coloque à mesa) alimentos com excesso de gordura, açúcar e sal;
  • A família deve fazer as refeições sentada à mesa, e não no sofá com a TV ligada nem com joguinhos ativados no smartphone. O momento da refeição deve ser calmo e convidativo para celebrar o momento.

Importante:

Crianças obesas já nos dois primeiros anos de vida têm mais chance de se tornarem adultos obesos. É sabido que a obesidade contribui para o aparecimento de doenças como hipertensão, problemas respiratórios, colesterol alto, entre outros.

4 – De 6 a 11 anos

Nesta fase, as crianças se movimentam mais, praticam mais atividade física, ou seja, possuem um gasto calórico maior. Por isso, há a necessidade de colocar um pouquinho mais de alimento no prato. Mas atente sempre para a qualidade deles. Confira as dicas:

  • Evite lanches prontos e embalados. Lembre-se sempre: melhor descascar que desembalar;
  • Tenha sempre disponível frutas, verduras e legumes;
  • Estimule o consumo de alimentos ricos em cálcio, como leite, derivados e vegetais verdes, como brócolis, espinafre e couve;
  • Evite o hábito de comprar refrigerantes, doces e fazer frituras em casa. Consuma esses alimentos apenas em ocasiões especiais;
  • Estimule a criançada a beber sucos de fruta, (da fruta mesmo, feito de forma natural). Os de caixinha, passe longe!

Importante:

Coloque o exercício físico como algo estimulante e prazeroso. Aulas de futebol, vôlei, natação, corrida ‘kids’, ou seja, crianças em movimento para extravasar as energias!

5 – De 12 a 18 anos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a adolescência entre os 10 e 19 anos completos. Nesta fase, o corpo passa por inúmeras mudanças, por isso a alimentação equilibrada é peça-chave para garantir o bom desenvolvimento do adolescente.

Os médicos apontam que o padrão alimentar dos jovens está abaixo do esperando, pois eles substituem com muita facilidade as refeições balanceadas por lanches ricos em gordura.

Por isso, se o adolescente passa mais tempo fora de casa – por conta do colégio e das atividades extracurriculares, vale a pena orientá-lo sobre um almoço mais balanceado. E, em relação aos lanches, evitar alimentos muito calóricos, dando preferência aos sanduíches naturais, se possível.

Também é nesta fase que os adolescentes infelizmente terão mais acesso a bebidas alcoólicas. Neste caso, vale o alerta da família em casa para lembrar sobre as consequências para a saúde do excesso do álcool, e quão vilão ele é para quem quer ter uma vida com qualidade.

Alimentos proibidos

Se falamos nos alimentos permitidos em cada faixa etária, é hora de fazer um breve resumo do que é proibido.

Até os 6 meses: apenas o aleitamento materno ou complemento, se necessário. Portanto, todo o resto é proibido!

6 meses a 2 anos: fritura, chocolate, sucos artificiais, refrigerantes, alimentos enlatados, alimentos duros de difícil mastigação, café, carne de porco e mel.

  1. O mel pode estar contaminado por uma bactéria chamada Clostridium botolinum, responsável pela transmissão do botulismo;
  2. Oleaginosas em geral, como amendoim e castanhas, são alimentos que podem desencadear alergias;
  3. Doces: até os dois anos a criança tem o paladar para o sabor doce. Se ela começa a consumir alimentos com muito açúcar, o nível de doce no paladar dela é aguçado, e assim a criança será induzida a pedir cada vez mais por mais doces.
  4. Gelatinas: são cheias de açúcar e conservantes, podendo desencadear alergias de pele. Em vez de oferecer uma gelatina de morango à criança, ofereça o morango (a fruta!) apenas;
  5. Bolacha recheada: exclua da sua lista do mercado. São alimentos ricos em gordura trans e cheios de açúcar.

Nas demais faixas etárias, controlar ao máximo o consumo de produtos industrializados, açúcar e frituras. Dados do Ministério da Saúde mostram que 12,9% das crianças brasileiras de 5 a 9 anos são obesas e 18,9% dos adultos estão acima do peso.

O consumo elevado de alimentos ultraprocessados, de alto teor de gordura e açúcar e o excesso de “tela” (smartphone, TV, videogame) são os principais responsáveis por esses números.

Quando a criança começa a comer sozinha?

Por volta dos 8 meses, a criança já consegue segurar frutas e verduras, e os pais devem incentivá-la a comer usando as próprias mãos. Prepare-se para a sujeira saudável e divertida que virá por aí!

Até os 2 anos a criança vai aprender a segurar a colher com certo equilíbrio, e entre 3 e 4 anos ela conseguirá se alimentar sem ajuda.

Com o apoio e incentivo dos pais, por volta dos 7 anos é possível que a criança já consiga usar os talheres e servir a própria comida.

Referências: Fiocruz, Prefeitura de Belo Horizonte, Sociedade Brasileira de Pediatria e Pais&Filhos

Você vai gostar de ver…

ultraprocessados

Alimentos ultraprocessados: como identificar e substituir

Vivemos em uma era em que os alimentos ultraprocessados são praticamente onipresentes. Em muitos casos, fica ainda mais difícil passar longe deles, pois existem industrializados com roupagem de “comida saudável”. 

fome emocional

Fome emocional: como mudar sua relação com a comida?

Sabe aquela história de comer por ansiedade ou descontar um dia estressante num docinho? Então, ela tem nome. A fome emocional, muitas vezes desencadeada por sentimentos, pode impactar nossos hábitos

receitas do tik tok viral

Viralizou: 10 receitas do Tik Tok pra testar em casa

No universo culinário das receitas do Tik Tok, a criatividade e a simplicidade andam de mãos dadas. Não é de hoje que nas redes sociais, especialmente no TikTok, chefs amadores

Permissão de cookies

Coletamos informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para melhorar o funcionamento das páginas, mensurar a audiência e oferecer uma melhor experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies.