Atividade Física

O que é ginástica laboral e para que ela serve?

janeiro 31, 2020
ginástica laboral

Cada vez mais, a relação entre “doença” e “trabalho” é assunto que vem liderando muitos debates. Nesse contexto, a ginástica laboral é uma importantíssima alternativa na prevenção e melhora dos problemas de saúde relacionados ao trabalho. 

No Brasil, a Previdência Social atesta que uma das principais causas de afastamento permanente dos trabalhadores, de seu ambiente de trabalho foram as doenças relacionadas ao sistema osteomuscular. Ou seja, nossos ossos e músculos. Já da pra começar a perceber a importância da ginástica laboral no dia a dia, não é? Vamos entender melhor:

O que é a ginástica laboral?

A ginástica laboral é uma série de exercícios físicos realizados no ambiente de trabalho – pode ser feita no seu próprio posto, ou em algum ambiente específico da empresa. Ela é realizada no horário de trabalho, com o objetivo de melhorar a saúde dos funcionários e evitar lesões por esforço repetitivo e algumas doenças ocupacionais.

Normalmente, a esse tipo de exercício dura entre 10 e 20 minutos, apresenta baixa intensidade e é baseada em técnicas de respiração e alongamento de diversas partes do corpo (tronco, cabeça, membros superiores e inferiores).

Além disso, os exercícios também envolvem a percepção corporal, reeducação de postura e compensação muscular. Um ponto importante desse tipo de prática, é que a mesma deve ser individualizada, ou seja, os alongamentos devem ser diferentes para cada tipo de função exercida pelo funcionário.

A ginástica laboral pode ser praticada tanto em empresas privadas, quanto em órgãos públicos, com trabalhadores das mais variadas funções e dos mais variados cargos. 

Conheça os tipos de ginástica laboral

A ginástica laboral possui algumas classificações, a fim de focar no principal objetivo dos funcionários presentes:

Ginástica laboral preparatória

É realizada no início da jornada de trabalho e tem a função de ativar o corpo e prepará-lo para o trabalho físico. Melhora o nível de disposição, elevando a temperatura do corpo, oxigenando os tecidos e aumentando a frequência dos batimentos do coração.

Inclui exercícios de coordenação, equilíbrio, concentração, flexibilidade e resistência muscular. Dura aproximadamente 10 minutos. 

Ginástica laboral compensatória

Tem como principal finalidade compensar – como o próprio nome diz – todo e qualquer tipo de tensão muscular, adquirido pelo uso excessivo ou inadequado dos músculos e ligamentos do corpo.

Melhora a circulação do sangue, modifica a postura no trabalho e previne a fadiga muscular (o “cansaço do músculo”). Inclui exercícios de alongamento e flexibilidade, respiratórios e posturais. Dura aproximadamente 5 minutos. 

Ginástica laboral de relaxamento

É realizada no final da jornada de trabalho e seu foco principal é aliviar as tensões, possivelmente causadas pelo exercício de sua função, além de diminuir o famoso estresse. Nesse momento são realizadas auto-massagens, exercícios respiratórios, alongamentos e meditação.

Ainda, podemos encontrar classificações mais específicas:

  • Ginástica postural: envolve alongamento e fortalecimento de músculos pouco utilizados no dia a dia do funcionário;
  • Ginástica terapêutica: seu mecanismo de ação é tratar distúrbios, patologias e alterações posturais, conforme as queixas de cada colaborador. Necessita de um local apropriado, com materiais específicos e demanda maior tempo – aproximadamente 30 minutos;
  • Ginástica de manutenção: depois de alcançar o equilíbrio muscular e as correções necessárias, essa técnica visa manter os resultados decorrentes de um trabalho de condicionamento físico. Também exige um local apropriado e maior tempo de dedicação. 

Quando surgiu a ginástica laboral?

O conceito da ginástica laboral (que vem da palavra labor, que significa trabalho), surgiu em 1935, na Polônia.

Seu nome inicial era “ginástica de pausa”. Foi a partir de 1960 que conquistou o mundo, principalmente a Europa e o Japão. No Brasil, a prática tem se difundido nos últimos anos. 

Quais são os benefícios da ginástica laboral?

Praticar ginástica laboral diariamente faz bem para os funcionários e também pra empresa. Todos se beneficiam! Veja só:

Para o funcionário, a prática da ginástica laboral:

  • melhora a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida de modo geral;
  • ajuda a aliviar o estresse e as tensões;
  • induz pensamentos positivos;
  • melhora a relação entre os colegas de trabalho;
  • auxilia na concentração e foco;
  • corrige a postura do corpo;
  • previne lesões corporais e doenças provocadas por movimentos repetitivos;
  • ajuda na proteção do coração e do sistema respiratório;
  • incentiva a prática de atividade física fora do ambiente de trabalho;
  • contribui para a consciência corporal;
  • aumenta o desempenho e a produtividade;
  • deixa o dia a dia menos monótono e mais divertido. 

Pra empresa, ter funcionários praticando a ginástica laboral:

  • diminui os casos de acidentes de trabalho;
  • diminui as ausências e atrasos; 
  • estimula o trabalho em equipe;
  • melhora a produtividade;
  • reduz as taxas de turnover (alta rotatividade de profissionais);
  • aumenta a interação entre funcionários.

Gostou do assunto e quer implementar esse estilo de vida na sua empresa? Busque sempre as orientações de educadores físicos e fisioterapeutas qualificados.

Aliás, garantir uma boa alimentação nos espaços de trabalho também conta positivamente para uma melhor produtividade. Por isso, a Liv Up tem a solução do Liv Up Station. Já ouviu falar?

Referências bibliográficas:

Neves RF, Araújo SPA, Magalhães LV, Lima MAG. A ginástica laboral no Brasil entre os anos de 2006 e 2016: uma scoping review. Rev Bras Med Trab. 2018;16(1):82-96

Loisel P, Côté P. The work disability paradigm and its public health implications. In: Loisel P, Anema JR, eds. Handbook of Work Disability: prevention and management. Nova York: Springer; 2013. p. 59-67.

Polito E. Ginástica laboral: teoria e prática. Rio de Janeiro: Sprint; 2010.

Lima V. Ginástica laboral: atividade física no ambiente de trabalho. São Paulo: Phorte; 2008.

You Might Also Like

Vamos conversar?

Entre por uma das redes sociais ao lado para comentar!
Scroll Up