Vitamina D: para que serve e onde encontrar?

para que serve a vitamina d sol

Muito provavelmente você já ouviu falar que pegar sol é importante, mas já sabe por que? Um dos principais motivos é a vitamina D, um hormônio essencial que atua na saúde óssea, no crescimento, imunidade, metabolismo, musculatura e impacta no funcionamento de diversos órgãos e sistemas.  Entenda a seguir para que serve a vitamina D e como garantir níveis adequados para manter um corpo saudável.  

Quem nos ajuda a explicar melhor tudinho sobre essa vitamina é a nutricionista do time de pesquisa e desenvolvimento da Liv Up, Bruna Quaglio. Veja a seguir! 

Para que serve vitamina D?

“A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, essencial para o crescimento e desenvolvimento normal e manutenção do tecido epitelial (pele), e também para integridade da nossa visão noturna. Além disso, ajuda a promover o desenvolvimento normal dos ossos e influencia a formação dos dentes”, explica a nutricionista. Além disso, ela funciona também como hormônio esteróide, sem contar na sua ação antioxidante. Ou seja, para o corpo funcionar direitinho, é preciso que a vitamina D esteja em dia. 

Existem hoje estudos que demonstram que esse nutriente tem atuação mais ampla do que se imaginava anteriormente. Inclusive, quando o assunto é a função da vitamina D, há evidência da sua participação em processos como: 

  • Liberação de insulina e prolactina;
  • Metabolismo do colágeno; 
  • Regulação do magnésio; 
  • Controle da hipertensão arterial sistêmica; 
  • Prevenção de tumores (carcinoma de mama, melanoma, alguns tipos de leucemias, carcinoma de próstata e de intestino); 
  • Prevenção de doenças autoimunes; 
  • Reforço do sistema imunológico como um todo. 

O que é bom para ter vitamina D?

para que serve a vitamina d tomar sol

Existem duas formas de garantir que o organismo esteja recebendo a quantidade certa desse nutriente: o bom e velho sol e também a alimentação. Aliás, o melhor é que as duas coisas estejam combinadas, viu?

Falando especificamente sobre a exposição solar, a recomendação é que pessoas de pele clara tenham 20 minutos de exposição ao sol diariamente, enquanto pessoas de pele mais escura precisam de um tempo maior (cerca de 1 hora) – sem protetor solar e nas primeiras horas da manhã ou no final da tarde para evitar danos à pele. 

Tem essa vitamina nos alimentos?

Complementarmente, existem alimentos ricos em vitamina D. Entre as suas fontes, a nutricionista Bruna Quaglio cita o óleo de fígado de peixe, manteiga, fígado, gema de ovo, salmão, atum e a gordura do leite. Ah, e vale ressaltar que o sol também ajuda na síntese da vitamina D, por isso não adianta comer direitinho e não se expor à luz solar. 

Diferença entre a vitamina D3 e D2

E falando nessa relação entre o sol e a alimentação, vale destacar que existem dois tipos dessa vitamina: 

A vitamina D3 é produzida graças à exposição da pele ao sol. Ela é encontrada também nos alimentos de origem animal, como iogurte, gema de ovo, leite e etc. É amplamente usada na suplementação, pois acredita-se que essa forma equilibra melhor e por mais tempo os níveis do nutriente no sangue.

A vitamina D2 também é obtida por meio da exposição à luz solar, porém é encontrada somente em vegetais e fungos (cogumelos e leveduras). Também é possível encontrá-la em suplementos e alimentos fortificados. 

O que acontece quando a vitamina D está baixa?

para que serve a vitamina d capsula

Em geral, a maior causa de carência desse nutriente é a falta de contato com o sol. Mas existem ainda outros fatores como a alimentação, passar por uma cirurgia bariátrica ou até mesmo alguns problemas de saúde, incluindo a insuficiência renal e doenças inflamatórias intestinais. 

Entre os problemas causados pela deficiência de vitamina D, estão a queda dos níveis de cálcio e fósforo no sangue, dor e fraqueza muscular, enfraquecimento dos ossos, entre outros. A nutri ressalta ainda “raquitismo em crianças e osteomalácia em adultos. Pode também agravar osteoporose e osteopenia e está associada a aumento do risco de cânceres, doenças auto imunes, hipertensão e doenças infecciosas”. 

Entre os principais sintomas da vitamina D muito baixa para se ficar de olho então:

  • Atraso ou retardo no crescimento infantil;
  • Arqueamento das pernas da criança;
  • Atraso no nascimento dos dentes do bebê e cáries desde cedo;
  • Osteoporose em adultos;
  • Ossos quebradiços, especialmente na coluna, quadris e pernas;
  • Dores musculares;
  • Sensação de fadiga, fraqueza e mal-estar;
  • Dor nos ossos;
  • Espasmos musculares.

Qual é o nível ideal?

A dosagem de vitamina D é identificada por meio de um simples exame de sangue. Segundo a nutricionista Bruna Quaglio, os níveis indicados se dão “em torno de 32ng/mL ou mais (nanogramas por mililitro de sangue), mas a maior parte da população tem níveis baixos de vitamina D e necessita de suplementação e/ou modulação intestinal para melhorar sua  absorção”.

Segundo a OMS, quando a concentração é menor do que 30 ng/ml já se considera insuficiência. Resultados abaixo de 10 ng/ml são vistos como insuficiência grave. O limite de normalidade é de 100 ng/ml.

Quando necessária, a reposição dessa vitamina é feita de forma oral (gotas ou comprimidos) com a ingestão diária ou semanal. Casos específicos precisam de atenção especial, como por exemplo, para pessoas que passaram por cirurgia bariátrica. 

Lembrando que a suplementação de qualquer vitamina só pode ser feita com orientação de um profissional da nutrição ou médico endocrinologista. Aliás, o excesso de vitamina D pode ser tóxico, sendo que esse risco só existe quando a vitamina D é suplementada e não pela absorção natural. O uso abusivo pode levar a problemas como desidratação, fraqueza, enxaquecas e náuseas. 

Outro ponto de dúvida muito comum é se a vitamina D engorda. A verdade é que a carência ou suplementação desse micronutriente não tem nenhuma relação direta com um possível aumento de peso (ou mesmo redução). A alteração na balança pode estar associada a diversos outros fatores como hábitos alimentares, doenças pré existentes e/ou estilo de vida. Por isso, o ideal é procurar um profissional da saúde para realizar os exames necessários e fazer avaliação do organismo como um todo.


foto bruna quaglio nutricionista especialista liv up

Bruna Quaglio

Coordenadora do Time de Desenvolvimento de Produtos da Liv Up.

Você vai gostar de ver…

ultraprocessados

Alimentos ultraprocessados: como identificar e substituir

Vivemos em uma era em que os alimentos ultraprocessados são praticamente onipresentes. Em muitos casos, fica ainda mais difícil passar longe deles, pois existem industrializados com roupagem de “comida saudável”. 

fome emocional

Fome emocional: como mudar sua relação com a comida?

Sabe aquela história de comer por ansiedade ou descontar um dia estressante num docinho? Então, ela tem nome. A fome emocional, muitas vezes desencadeada por sentimentos, pode impactar nossos hábitos

receitas do tik tok viral

Viralizou: 10 receitas do Tik Tok pra testar em casa

No universo culinário das receitas do Tik Tok, a criatividade e a simplicidade andam de mãos dadas. Não é de hoje que nas redes sociais, especialmente no TikTok, chefs amadores

Permissão de cookies

Coletamos informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para melhorar o funcionamento das páginas, mensurar a audiência e oferecer uma melhor experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies.