Qual a relação entre emoção e alimentação?

emoção e alimentação

A alimentação, desde sempre, está relacionada a diversos fatores: sobrevivência, cultura, credos religiosos e, principalmente, às emoções. Momentos de angústia ou satisfação moldam o nosso prato, ainda que de forma inconsciente. E é por isso que, quando falamos de autocuidado, estamos falando do que digerimos, ou seja, da relação entre emoção e alimentação.

A amamentação, por exemplo, está associada a cuidado e afeto, uma memória feliz que, quando acionada, nos traz a sensação de saciedade. Ao longo da vida, também vamos criando outras memórias alimentares: um bolo preparado por um ente querido, o tempero especial de um restaurante da sua cidade ou aquele encontro de sexta com o pessoal do trabalho evocam momentos de prazer. 

Porém, além dessas situações gostosas, existem períodos conturbados que podem impactar diretamente no que consumimos.

E como as emoções funcionam?

Essa animação curtinha esclarece bem como elas atuam e influenciam o nosso metabolismo e, consequentemente, nos faz refletir sobre a importância do equilíbrio entre emoção e alimentação. Acompanhe:

 

Corpo são. E a mente, como anda?

O Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros – ou seja, 9,3% da população – convivem com o transtorno, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Consequentemente, como uma das características do transtorno, o ansioso pode apresentar a tendência de consumir compulsivamente ou ter seu apetite reduzido drasticamente. O mesmo pode acontecer com uma pessoa que tem depressão.

Além disso, convivemos com as pressões sociais que impactam na imagem refletida no espelho: os transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, deixam ainda mais evidente a conexão entre emoção e alimentação.

Sabe aquela impressão de que o organismo está “pedindo” por algum alimento? É o seu corpo falando com você. E isso não é papo místico: estudos recentes já relacionam a vontade por carboidratos e glúten, por exemplo, como formas de conforto em situações incômodas.

O mesmo acontece com a repulsa a alguns ingredientes, que têm grandes chances de estarem ligados a memórias ou crenças negativas que, erroneamente, os associam a obesidade.

Então, ao montar seu prato do almoço, é importante lembrar-se que há mais do que o tradicional arroz e feijão em jogo: são as suas emoções escolhendo maneiras de equilibrar-se.

Alimentos que te ajudam a sentir emoções positivas

Já que nem sempre é possível escapar do turbilhão de desafios que a modernidade e a vida nos propõe, que tal complementar a dieta com alimentos acessíveis que, quando aliados a exercícios físicos e acompanhamento psicológico (tão necessário para o real autocuidado), podem dar aquele gás na rotina? Emoção e alimentação agradecem!

Confira algumas opções e seus benefícios:

  • Mel: ajuda na produção da serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar. Duas colheres de sopa são suficientes.
  • Ovos: fonte das vitaminas do complexo B, os ovos ajudam no bom humor. Mas, fique ligado: uma unidade por dia é o recomendado para ter os benefícios sem afetar o colesterol.
  • Melancia, abacate, mamão, banana, tangerina e limão: estas frutas são ricas em triptofano, aminoácido que ajuda na produção de serotonina. É recomendado o consumo de três a cinco porções todos os dias. Que tal uma salada de frutas no lanche da tarde?
  • Espinafre e acelga: repletos de magnésio, ajudam a acalmar os ansiosos ao desencadear a sensação de tranquilidade.

Dica para quem quer saber mais sobre emoção e alimentação

O canal Te Vejo, da jornalista Daiana Garbin, traz conteúdos interessantes para quem quer compreender melhor a relação das emoções com as compulsões, além de provocar reflexões sobre outros assuntos da mesma esfera. Comece pelo vídeo abaixo, que tem tudo a ver com este texto. 

Agora que você compreende que emoção e alimentação andam juntas, torne este caminho mais prazeroso e coloque em prática o que aprendeu, tornando-se ainda mais consciente.

Lembre-se de consultar especialistas, tanto para melhorar a alimentação, quanto para ajudar no processo de autoconhecimento. 

Você vai gostar de ver…

dormir depois do almoço

Dormir depois do almoço: entenda os impactos na sua saúde

Muita gente é fã de dormir depois do almoço, mas o fato que a famosa “siesta” levanta dúvidas. Afinal, o cochilo depois do almoço faz bem ou é apenas um

desidratação no calor

Desidratação: quais sintomas e como evitar esse problema

Verão, calor, dias bem quentes e…desidratação. A palavra pode parecer extrema, mas o fato é que, muitas vezes, o corpo perde mais líquido do que se consegue repor e com

melatonina

Melatonina e sono: benefícios e como tomar

Num mundo agitado, o sono se torna cada vez mais alvo de atenção. Apesar de repouso e descanso serem termos associados, o sono vai além – tendo um papel essencial

Permissão de cookies

Coletamos informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para melhorar o funcionamento das páginas, mensurar a audiência e oferecer uma melhor experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies.